sábado, 24 de setembro de 2016

Fredrikstad recebeu campeonatos nórdicos de marcha (resultados)

O trio dos  20 km masculinos, Hansson, Koivunen e VaengRøtnes,
a vencedora dos 10 km, Elisa Neuvonen, o sub-18 Joni Hava e a
sub-20 Enni Nurmi. Fotos: Rolf B. Gundersen
Montagem: O Marchador
O sueco Anders Hansson, com 1.25.52 aos 20 km, e a finlandesa Elisa Neuvonen, com 48.24 aos 10 km, foram os vencedores das principais provas dos campeonatos nórdicos de marcha que se realizaram no fim-de-semana passado na cidade norueguesa de Fredrikstad.

Hansson estabeleceu uma nova melhor marca pessoal por significativa margem (2 minutos e 14 segundos) já que detinha anteriormente 1.28.08 em Vallensbæk-2015. Nas posições imediatas e abaixo da 1 hora e 30 minutos classificaram-se atletas sub-23, Elmo Koivunen (Finlândia), com 1.27.15, também com recorde pessoal (antes, 1.27.15-2016) e Fredrik Vaeng Røtnes (Noruega), com 1.28.18.

Nos 10 km femininos absolutos, e após Neuvonen, classificaram-se mais três compatriotas suas: Hele Haapaniemi (48.51), Tiia Kuikka (53.52, 1.ª, sub-23) e Venla Laiho (54.27, 2.ª, sub-23).

De referir ainda os expressivos resultados nos 5 km do sub-18 Joni Hava (Finlândia), com 21.58, e da sub-20 Enni Nurmi (Finlândia), com 22.41.

A Finlândia venceu colectivamente, com 78 pontos, a Suécia obteve 31 e a Noruega 24.

Principais classificações
20 km masculinos
1.º, Anders Hansson, 1992 (Suécia), 1.25.52
2.º, Elmo Koivunen, 1994 (Finlândia), 1.27.15 - 1.º, sub-23
3.º, Fredrik Vaeng Røtnes, 1995 (Noruega), 1.28.18 - 2.º, sub-23
4.º, Remo Kalström, 1988 (Suécia), 1.34.25
5.º, Timo Viljanen, 1977 (Finlândia), 1.38.56
6.º, Fredrik Sandmer, 1994 (Suécia), 1.46.49 - 3.º, sub-23
Desclassificados: Eemeli Kiiski, 1991 (Finlândia) e Artturi Oila, 1996 (Finlândia) - sub-23.

10 km femininos
1.ª, Elisa Neuvonen, 1991 (Finlândia), 48.24
2.ª, Hele Haapaniemi, 1993 (Finlândia), 48.51
3.ª, Tiia Kuikka, 1994 (Finlândia), 53.52 - 1.ª, sub-23
4.ª, Venla Laiho, 1995 (Finlândia), 54.27 - 2.ª, sub-23
5.ª, Ellinor Hogrell, 1968 (Suécia), 57.16
6.ª, Helena Sandmer, 1992 (Suécia), 57.36
7.ª, Josefin Greiff, 1998 (Noruega), 1.00.22 - 3.ª, sub-23
8.ª, Julia Ibrahim, 1996 (Suécia), 1.03.30 - 4.ª, sub-23

Resultados completos aqui.

sexta-feira, 23 de setembro de 2016

Taça de Marcha em Voronovo, Rússia (resultados)

A partida masculina, com o vencedor Kirill Frolov (dorsal 404), a
premiação feminina, com Nadezhda Sergeeva exibindo a taça
conquistada, e a actividade promocional, impulsionada por Nikolay
Matyukhin e Evdokiya Korotkova. Fotos: fb Sergey Nochevnyy e
site Voronovskoe. Montagem: O Marchador
Uma semana depois do evento em Kostroma (artigo aqui), foi a vez de Voronovo, nos arredores de Moscovo, no dia da comemoração da cidade, disputar mais uma edição da Taça de Marcha (10/9), cujos resultados o blogue «O Marchador» agora teve acesso.

Kirill Frolov (Moscovo-Chuvaschia), nos masculinos, com 39.26, e Nadezhda Sergeeva (Moscovo), nos femininos, com 43.36, triunfaram nas principais provas de 10 km, curiosamente registando parciais exactamente iguais em cada légua percorrida, ele com 19.43+19.43 e ela com 21.48+21.48.

Frolov foi seguido na classificação por Petr Trofimov, com 39.58 (19.45+20.13) e Alexey Golovin, com 40.18 (20.03+20.15), numa prova que contou com 15 participantes.

Já Sergeeva teve no pódio a companhia de Anastasia Kiriliuk, com 53.30, jovem de apenas 12 anos de idade (!), e de Tatiana Koshkina, com 53.43. Foram 9 as concorrentes na prova feminina.

De referir ainda a realização, a anteceder as provas, de uma actividade promocional da disciplina junto dos mais jovens a cargo dos marchadores internacionais russos Nikolay Matyukhin, olímpico em Atlanta-1996 e Sydney-2000 e medalha de prata (50 km) nos mundiais de Sevilha-1999, e Evdokiya Korotkova, detentora de 1.29.44 nos 20 km (Saransk-2008), atleta que ainda no ano passado tomou parte na Volta ao Lago Taihu, China.

Colaboração: Kristina Saltanovic

Classificações
10 km masculinos
1.º, Kirill Frolov (1993), 39.26
2.º, Petr Trofimov (1982), 39.58
3.º, Alexey Golovin (1988), 40.18
4.º, Vladislav Maksimov (1994), 42.00
5.º, Denis Asanov (1992), 42.54
6.º, Sergey Korepanov (1984), 43.03
7.º, Zahar Sliva (1998), 43.24
8.º, Aleksandr Nikitin (1988), 43.55
9.º, Viaceslav Aymurzin (1998), 44.30
10.º, Mihail Liubavin (1998), 44.39
11.º, Kirill Vinogradov (1998), 44.59
12.º, Ivan Foksha (2000), 45.41
13.º, Mihail Ivanov (1998), 46.08
14.º, Vladimir Nikitin (1988), 47.59
15.º, Sergey Avvakumenkov (1996), 49.25

10 km femininos
1.ª, Nadezhda Sergeeva (1994), 43.36
2.ª, Anastasia Kiriliuk (2004), 53.30
3.ª, Tatiana Koshkina (1991), 53.43
4.ª, Kristina Smirnova (1998), 55.04
5.ª, Anastasia Szegoleva (1993), 55.36
6.ª, Anastasia Slivar (2002), 56.23
7.ª, Anna Musilovic (2001), 57.03
8.ª, Viktoria Sviridova (1999), 57.06
9.ª, Kristina Semenihina (1991), 59.08

5 medalhados olímpicos na Volta ao Lago Taihu, na China

Montagem: O Marchador
São grandes os motivos de interesse que rodeia a 4.ª edição da Volta ao Lago Taihu em marcha atlética, que se iniciará este domingo (25) e terminará na quarta-feira (28), com os marchadores das principais competições (63 masculinos e 39 femininos), a percorrerem, no espaço de quatro dias, cerca de 50 quilómetros.

Participam no evento os três medalhados na prova masculina dos 20 km marcha dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, os chineses Wang Zhen e Cai Zelin, e o australiano Dane Bird-Smith, o segundo classificado na prova dos 50 km, o australiano Jared Tallent, e a campeã olímpica, Hong Liu.

Também é de registar a participação de outras grandes figuras da marcha mundial da atualidade e que estiveram em plano de particular evidência nos Jogos do Rio, casos, entre outros, no setor masculino, do brasileiro Caio Bonfim (4.º nos 20 km, e 9.º nos 50 km), do canadiano Evan Dunfee, presenças habituais no evento, do chinês Wei Yu (5.º nos 50 km), do norueguês Havard Haukenes (7.º nos 50 km) e do campeão europeu e recordista mundial dos 50 km marcha, Yohann Diniz (8.º), que se estreará neste género de provas.

No setor feminino merece uma nota especial a participação da campeã portuguesa Ana Cabecinha (6.ª nos Jogos do Rio, 8.ª em Pequim e Londres), cujo nome consta entre as atletas inscritas. Igualmente referências para a chinesa Shijie Quiyang, nascida no Tibete, medalha de prata nos Jogos de Londres e no Campeonato do Mundo de Seleções, em Roma, e 5.ª classificada nos Jogos dos Rio, a brasileira Erica Sena (7.ª no Rio e medalha de bronze em Roma) e a espanhola Beatriz Pascual, finalista olímpica nas últimas três edições dos Jogos, 6.ª em Pequim, 7.ª em Londres, e 8.ª no Rio de Janeiro.

As principais seleções da China contam-se entre as grandes favoritas à vitória final coletiva, tanto no setor masculino como no feminino. Bielorrússia, Ucrânia, Polónia, África do Sul, Suécia e Cazaquistão apresentam seleções próprias, esperando-se o anúncio da constituição de outras seleções (o regulamento permite a constituição de equipas - masculinas e femininas - integrando elementos de diferentes países) até à realização da reunião técnica, agendada para a véspera da competição.

No historial da participação portuguesa no evento, 8 atletas competiram em 2013 (Vera Santos, Inês Henriques, Susana Feitor, Ana Cabecinha, João Vieira, Sérgio Vieira, Miguel Carvalho e Dionísio Ventura), 2 (Inês Henriques e Susana Feitor) em 2014, e 1 (Susana Feitor) em 2015.

quinta-feira, 22 de setembro de 2016

França, Bélgica e Alemanha disputaram encontro de veteranos em Sarreguemines

As provas de marcha do encontro de atletismo em Sarreguemines.
Fotos: Jungmann/DLV. Montagem: O Marchador
A pista do Estádio Pierre-de-Coubertin em Sarreguemines /Lorraine, França, recebeu no passado sábado (17 Set.) a 8.ª edição do encontro de atletismo entre as formações da França, Bélgica e Alemanha para atletas veteranos das categorias de 40 e 50 anos, com a marcha atlética a ser contemplada no programa com provas masculinas e femininas sobre 5.000 metros em pista.

A França venceu 3 das 4 provas de marcha, nomeadamente através de Sylvie Sevellec (W50, 26.13,47), Sebastien Delaunay (M40, 22.41,10) e Philippe Bonneau (M50, 22.56,81), ficando o restante triunfo a pertencer à representante da Alemanha, Bianca Schenker (W40, 24.06,00), com a sua compatriota Brit Schroeter a ser desclassificada a 20 metros da meta.

Tomando como referência apenas a disciplina da marcha, a França somou 7 medalhas (3 de ouro, 2 de prata e 2 de bronze), a Alemanha 4 (1 – 2 – 1) e a Bélgica obteve 1 de bronze através de Myriam Nicolas (W50). O maior número de pontos (masc. + fem.) foi conseguido pela França, com 39, seguido da Alemanha (29) e da Bélgica (16).

Na classificação colectiva de todas as disciplinas do encontro (masc. + fem.), venceu a Alemanha, com 356 pontos, seguida da França (315) e da Bélgica (164). Por género, a França foi mais forte no sector masculino e a Alemanha no sector feminino.

Classificações das provas de marcha
5.000 m femininos W40
1.ª, Bianca Schenker, 1974 (Alemanha), 24.06,00
2.ª, Sonia Demon, 1972 (França), 26.24,94
3.ª, Valerie Boban, 1968 (França), 27.53,02
4.ª, Vita Van Belleghem, 1975 (Bélgica), 35.25,88
5.ª, Virginie Boudart, 1975 (Bélgica), 37.47,41
Desclassificada: Brit Schroeter, 1974 (Alemanha).

5.000 m masculinos M40
1.º, Sebastien Delaunay, 1974 (França), 22.41,10
2.º, Stefan Werner, 1964 (Alemanha), 26.40,76
3.º, Andreas Ritzenhoff, 1967 (Alemanha), 27.19,26
4.º, Christophe Gontier, 1976 (Bélgica), 29.43,52
Desistente: Djamel Selseldeb, 1976 (França).

5.000 m femininos W50
1.ª, Sylvie Sevellec, 1964 (França), 26.13,47
2.ª, Marie-Astrid Monmessin, 1956 (França), 26.49,77
3.ª, Myriam Nicolas, 1963 (Bélgica), 27.43,83
4.ª, Barbara Primas, 1965 (Alemanha), 27.53,02
5.ª, Antje Koehler, 1961 (Alemanha), 30.46,73
6.ª, Muriel Oger, 1964 (Bélgica), 36.17,25

5.000 m masculinos M50
1.º, Philippe Bonneau, 1965 (França), 22.56,81
2.º, Uwe Schroeter, 1959 (Alemanha), 24.44,10
3.º, Michel Hautin, 1963 (França), 25.16,63
4.º, Klaus Dietsche, 1962 (Alemanha), 25.56,18
5.º, Dirk Bogaert, 1958 (Bélgica), 26.37,36
6.º, Gerard Goujon, 1950 (Bélgica), 35.40,63

quarta-feira, 21 de setembro de 2016

Tour da China arranca este domingo

A conferência de imprensa realizada em Pequim com a presença
de medalhados olímpicos. Montagem: O Marchador
A Federação de Atletismo da China, em parceria com as autoridades desportivas locais, vai levar a efeito nos dias 25, 26, 27 e 28 deste mês, em Wuzhong, província de Suzhou (a cerca de 100 quilómetros de Xangai), a quarta edição do torneio internacional de marcha atlética designado, na tradução inglesa, por Wuzhong Race Walking Rally 2016.

Trata-se, pois, de um conjunto de quatro etapas a realizar, no primeiro dia, na distância de 20 km (Taihu), no segundo dia, de 10 km (Mudu), no terceiro dia, de 10,5 km (Yuanboyuan), e na última das etapas, de 10 km (Dongshan). Durante a primeira e segunda etapas serão realizadas caminhadas que contarão com a presença de mais de 30.000 pessoas.

O evento internacional, que contará com a participação de alguns dos mais categorizados marchadores mundiais da atualidade, entre os quais os campeões olímpicos dos 20 km marcha, os chineses Hong Liu e Zhen Wang, dispõe de uma grelha de prémios monetários inigualável em qualquer outra organização da especialidade. O montante global disponibilizado pela organização, só em prémios monetários, quase atinge os 400 mil euros. A organização suportará, ainda, viagens e alojamento dos marchadores que estejam colocados, na presente época, no «top» 30 do ranking mundial das distâncias olímpicas.

Os 15 primeiros de cada etapa (masculinos e femininos) receberão prémios monetários, 900 euros para os vencedores, com o detentor da camisola amarela a receber outros 900 euros. Na classificação geral individual os 8 primeiros terão direito a prémios monetários estando reservado para o(a) vencedor(a) a quantia de 9.000 euros. As 6 primeiras equipas da geral, em ambos os sexos, serão beneficiadas com generosas quantias, sendo que à equipa vencedora estará reservado o montante de 18.000 euros. Como incentivo ao incremento da disciplina no país, as seis primeiras seleções provinciais de jovens, tanto no setor masculino como no feminino (o território chinês engloba 23 províncias), receberão um montante aproximado de 196 mil euros.

São vários os juízes internacionais de marcha que atuarão nas provas, sendo aplicáveis penalizações por tempo, no caso de os participantes sofrerem mais que uma falta técnica. Além dos melhores oficiais chineses, a organização conta com a presença de 8 juízes internacionais (6 europeus): Frédéric Bianchi (Suíça), Jean-Pierre Dahm (França), Nicola Maggio (Itália), Steve Taylor (Grã-Bretanha), Cándido Velez (Porto Rico), Pierce O’Callaghan (Irlanda), Daniel Michaud (Canadá) e José Dias (Portugal).

Na edição de 2013, os melhores da classificação geral individual foram, no setor masculino, o russo Petr Trofimov, o norueguês Erik Tysse, e o chinês Wei Yu, e no setor feminino, as chinesas Hong Liu e Xiuzhi Lu, e a portuguesa Vera Santos ocuparam os lugares do pódio, por esta ordem.

Na edição de 2014, no setor masculino, triunfou o campeão olímpico de 2012, o chinês Ding Cheng, seguido do australiano Dane Bird-Smith e do canadiano Evan Dunfee, enquanto do lado feminino a ucraniana Lyudmyla Olyanovska cotou-se como a melhor do torneio, sendo o pódio completado com as chinesas Dandan Duan e Yingliu Wang.

Na edição de 2015, Zhen Wang (China), Dane Bird-Smith (Austrália) e Evan Dunfee (Canadá) foram os primeiros, por esta ordem, no setor masculino, e Lyudmyla Olyanovska (Ucrãnia), Shenjie Quieyang (China) e Brigita Virbalyte (Lituânia), ocuparam as três primeiras posições do pódio, na classificação geral.

Nota de alteração: de sábado para domingo.

terça-feira, 20 de setembro de 2016

Lituanos triunfam em Lublin, Polónia

Pódios e grupo masculino em fase inicial da prova em Lublin.
Fotos: fb KU AZS UMCS Lublin. Montagem: O Marchador
Depois das vitórias conseguidas há uma semana em Druskininkay, os marchadores olímpicos lituanos Marius Ziukas e Brigita Virbalyte, voltaram a triunfar, desta feita em Lublin, cidade da vizinha Polónia, que no passado sábado (17/9) acolheu a edição inaugural do grande prémio internacional de marcha, cuja organização foi por todos elogiada. Em simultâneo, disputaram-se os campeonatos nacionais de marcha para veteranos.

Ziukas, com 41.44 aos 10 km, e parciais por cada 5 km de 20.53 e 20.51, distanciou-se da concorrência entre o segundo e terceiro quilómetro (4.07), para concluir com 49 segundos de avanço sobre Artur Brzozowski (AZS-AWF Katowice, 42.33). O pódio absoluto da prova seria preenchido por Rafał Augustyn (LKS Stal Mielec, 42.55). Numa prova com significativa participação, o representante local do AZS UMCS Lublin, Rafał Fedaczyński, foi quarto classificado, com 43.33, e Jakub Jelonek (KS AZS AWF Kraków), quinto, com 44.46.

Virbalyte, com 46.11 também sobre 10 km, beneficiou da competição com os homens e da proximidade com o sub-18 Łukasz Niedziałek (45.53) e do veterano Maciej Rosiewicz (46.08), para terminar a segunda légua em 23.02, contra 23.09 registados na passagem dos 5 km. Foi enorme a diferença (6 minutos e 10 segundos) que a separou da segunda classificada absoluta, a sua compatriota Austeja Kavaliauskaite (sub-18), com 52.21. Julia Mądra (LKS Stal Mielec, 52.55), também sub-18, fechou o pódio feminino.

Em provas para os mais jovens, destaque para os vencedores dos 3 km (sub-16), nos masculinos, Armindas Rudenka (Lituânia), com 14.42 (4.32 no primeiro quilómetro), e nos femininos, Patrycja Rusek, com 16.29, a mesma marca à segunda classificada, Kamila Remsak. Na prova de 1 km, com 39 participantes, as vitórias foram para atletas de 13 anos de idade, com a menina Toma Dailiduonyte (Lituânia) a registar 4.58, superando o rapaz, Kamil Piecuch (5.14).

Uma referência para a homenagem prestada pela cidade de Lublin aos «seus» olímpicos no Rio 2016, nomeadamente ao marchador Rafał Fedaczyński e às voleibolistas de praia Monika Brzostek e Kinga Kolosinska.

Colaboração: Kristina Saltanovic

Classificações
10 km masculinos
1.º, Marius Ziukas, 1985 (Lituânia), 41.44
2.º, Artur Brzozowski, 1985 (AZS-AWF Katowice), 42.33
3.º, Rafał Augustyn, 1984 (LKS Stal Mielec), 42.55
4.º, Rafał Fedaczyński, 1980 (AZS UMCS Lublin), 43.33
5.º, Jakub Jelonek, 1985 (KS AZS AWF Kraków), 44.46
6.º, Łukasz Niedziałek, 2000 (WLKS Nowe Iganie), 45.53
7.º, Maciej Rosiewicz, 1977 ( - ), 46.08
8.º, Daniel Chojecki, 1995 (WLKS Nowe Iganie), 48.05
9.º, Jacek Cyngot, 1996 (UKS Olimp Kozienice), 48.36
10.º, Damian Klawikowski, 1996 (Rumski Klub Sportowy), 49.42
11.º, Grzegorz Grinholc, 1977 (Rumski Klub Sportowy), 49.54
12.º, Michał Baranowski, 1998 (MKS Unia Hrubieszów), 53.24
13.º, Piotr Jacher, 1998 (LKS Stal Mielec), 53.43
14.º, Sebastian Tara, 1997 (LKS Stal Mielec), 54.39
15.º, Mirosław Łuniewski, 1957 (UKS Jedynka Reda), 54.58
16.º, Waldemar Małecki, 1958 (UKS"Maraton - Korzeniowski.pl" Bieruń), 57.46
17.º, Janusz Goławski, 1966 (WLKS Nowe Iganie), 58.51
18.º, Zbigniew Kwita, 1959 (Niest. Poznań), 59.45
19.º, Ryszard Harasiński, 1956 (Łódź), 1.01.35
20.º, Jan Bartkowski, 1961 (Nidzica), 1.10.20
Desistentes: Robert Goławski, 1998 (WLKS Nowe Iganie) e Stanisław Kołodziej, 1946 ( - ).

10 km femininos
1.ª, Brigita Virbalyte-Dimsiene, 1985 (Lituânia), 46.11
2.ª, Austeja Kavaliauskaite, 2000 (Lituânia), 52.21
3.ª, Julia Mądra, 2000 (LKS Stal Mielec), 52.55
4.ª, Małgorzata Jacher, 1997 (LKS Stal Mielec), 54.01
5.ª, Wiktoria Raś, 2000 (LKS Stal Mielec), 55.29
6.ª, Kornelia Przestrzelska, 1998 (WLKS Nowe Iganie), 57.59
7.ª, Sonia Głomb, 1998 (UKS"Maraton - Korzeniowski.pl" Bieruń), 58.18
8.ª, Antonina Lorek, 1995 (AZS AWF Kraków), 58.38
Desistente: Michalina Wosik, 1994 (UKS-12 Kalisz).

segunda-feira, 19 de setembro de 2016

Marchadores preparam-se para as competições de inverno

Por norma, as primeiras provas da temporada de marcha atlética estão reservadas às organizações de clubes com tradições na especialidade e que, com o apoio autárquico e de entidades particulares levam a efeito as léguas ou grandes prémios, eventos destinados a atletas de todos os escalões etários, desde os benjamins aos veteranos.

A época que se avizinha mantém esses padrões e há, pelo menos, três competições agendadas para o corrente ano, informação que os organizadores nos fizeram chegar, uma para cada um dos próximos três meses e em três distritos diferentes: Lisboa, Leiria e Algarve.

A 22 de outubro terá lugar em Santo António dos Cavaleiros (Loures), no Parque da Cidade, a 13.ª Légua, competição disputada num circuito de 500 metros e com distâncias que variam, consoante o escalão etário, entre os 500 e os 5.000 metros. De registar a simpática iniciativa do clube organizador da competição (Grupo Desportivo de São Domingos), em homenagear, como é de tradição há vários anos, uma figura da marcha em cerimónia que terá lugar após as competições, e aquando da entrega de prémios aos melhor classificados (atletas e clubes). Regulamento disponível na secção «Docs».

A 5 de novembro a vila beiroa de Alvaiázere, a “Capital do chícharo”, vai receber a 15.ª edição da légua local (18.º Grande Prémio), também num circuito de 500 metros, junto à Escola Dr. Manuel Ribeiro Ferreira. Os prémios serão entregues na referida escola, por ocasião de um beberete que a organização oferecerá aos participantes. A iniciativa, como sempre, é promovida pelo Grupo de Amigos de Casais do Vento.

A 10 de dezembro será a vez de Tunes (Algarve) receber a segunda edição do Grande Prémio de Marcha Atlética, que terá lugar na Rua 1.º de Maio, junto à sede do clube organizador, o Atletis – Clube de Atletismo de Tunes. A fim de melhor se controlarem resultados e tempos, face ao esperado grande número de concorrentes, a avaliar pelo sucedido na primeira edição, os atletas transportarão chips. O circuito terá um perímetro de 500 metros, fator comum ao das duas provas atrás citadas, não faltando o tradicional beberete. O Algarve foi a região do país que registou, em 2016, o maior número de atletas em competições da especialidade.

Uma palavra de especial apreço para os organizadores, Joaquim Leitão (Loures), António Gonçalves (Alvaiázere) e Hélder Bacalhau (Tunes), dirigentes, treinadores e entusiastas da modalidade, cujos contributos colocados à causa, em prol da juventude, é de realçar. O seu caráter, perseverança, inconformismo e disponibilidade são, igualmente, denominadores comuns que importa, também, aqui registar.

Por fim, há a lamentar que uma das mais prestigiadas provas do calendário nacional, o Grande Prémio das Galinheiras, organizado pelo Centro de Atletismo das Galinheiras, e sempre com altíssimos índices de participação, não se realize este ano pondo, assim, fim a uma iniciativa que iria entrar na sua 24.ª edição. Numa primeira fase, a prova disputou-se nas principais artérias da vila e, nos últimos anos, na pista da Alta de Lisboa. José Henriques, o seu carismático presidente e que, enquanto treinador, descobriu jovens talentos para a especialidade, já teve ocasião de explanar, na sua página do Facebook, as razões que ditaram a sua extinção.

Ficam recordações de grandes momentos vividos, no plano social e desportivo, deste e de outros eventos que, no passado longínquo ou próximo, proporcionaram resultados de inegável classe aos nossos melhores marchadores: Urgeiriça, Gaia, Montijo, Setúbal, Grândola...  

domingo, 18 de setembro de 2016

Mundial de 50 km marcha de Malmö foi há 40 anos

Venyamin Soldatenko, numa imagem recente.
Foto: Voxpopuli.kz
Determinado já nessa época a reduzir o programa dos Jogos que se preparava para Montréal (Canadá) em 1976, o Comité Olímpico Internacional (COI) decidiu em reunião da Comissão Executiva realizada em 23 de Fevereiro de 1973, em Lausana (Suíça), que o programa dos Jogos da XXI Olimpíada teria menos provas e menos atletas em certas competições a fim de reduzir o número global de participantes. A proposta tinha sido apresentada pela Comissão do Programa do COI e apontava para que certas modalidades reduzissem o número de atletas que podiam participar (por exemplo, no futebol baixou de 19 para 17 o número de jogadores que cada selecção poderia inscrever) e outras eliminassem algumas provas (por exemplo, a natação veria eliminadas três provas: 200 metros estilos masculinos e femininos e a estafeta 4x100 m livres masculinos).

Em comparação com a edição anterior (Munique-1972), os Jogos de Montréal teriam diminuição de participantes em nove das 21 modalidades, contra apenas uma (remo) que teria o programa aumentado. O atletismo contava-se entre as modalidades com redução de programa, com a eliminação de uma prova: os 50 km marcha.

A distância fazia parte do programa olímpico desde os Jogos de 1932, realizados em Los Angeles (EUA). Nesse ano, a distância longa foi, de resto, a única da disciplina a integrar o programa, situação que se manteve em Berlim-1936. Já depois da II Guerra Mundial, a marcha voltaria a ter duas distâncias no sector masculino, variando uma delas entre os 10 mil metros, os 10 km e os 20 km, mas conservando sempre os 50 km como distância da prova mais longa. O modelo actual de 20 km e 50 km vem dos Jogos de Melbourne, em 1956, com a única excepção de 1976.

A proposta aprovada pela Comissão Executiva do COI em 1973 veio a ser oficializada em 5 de Outubro desse ano, durante o Congresso de Varna, na Bulgária. Resultado: os 50 km marcha saíam do programa e o percurso definido para as provas da disciplina no Jardim Botânico de Montréal, junto ao Estádio Olímpico, conheceria apenas a presença dos atletas dos 20 km, onde, de resto, Daniel Bautista se tornou o primeiro campeão olímpico da famosa escola de marchadores do México, liderada pelo treinador polaco (mais tarde mexicano) Jerzy Hausleber.

Descontente com a decisão do Comité Olímpico Internacional, a então chamada Federação Internacional de Atletismo Amador (FIAA) decidiu organizar um campeonato mundial de 50 km marcha. A ideia assentava na decisão tomada em 1913 pela FIAA segundo a qual, como não havia campeonatos do mundo de atletismo, os Jogos Olímpicos funcionariam como campeonatos do mundo, pelo que os campeões olímpicos seriam considerados também campeões do mundo. Não havendo a prova longa de marcha nos Jogos de 1976, era então necessário levar a efeito um campeonato do mundo para que o título de campeão mundial da distância pudesse ser atribuído (mesmo que de modo informal).

A decisão da FIAA vinha também na linha da vontade que desde a década de 1960 crescia entre as federações nacionais de atletismo de criar os campeonatos do mundo de atletismo, que, como se sabe, vieram a ter a primeira edição em 1983, na capital da Finlândia, Helsínquia.

Tomada a decisão de levar a efeito o campeonato mundial de 50 km marcha «em substituição» da prova eliminada do programa olímpico, foi igualmente deliberado que a competição teria lugar na cidade sueca de Malmö, em 18 de Setembro de 1976. A ela compareceram 42 atletas, de 20 países.

Entre eles e reunindo algum favoritismo contavam-se o italiano Vittorio Visini (com quatro classificações de 6.º a 8.º nos Jogos Olímpicos de México-1968, Munique-1972 e Montréal-1976), o norte-americano Larry Young (com duas medalhas de bronze nos 50 km dos Jogos de 1968 e 1972) e os soviéticos Evgeniy Lyungin (vencedor dos 50 km da Taça do Mundo de Marcha de 1975) e Venyamin Soldatenko (campeão europeu em 1971 e vice-campeão olímpico de 1972).

Este último acabaria por vencer, com 3.54.40 h, à frente de Enrique Vera (México, 3.58.14) e de Reima Salonen (Finlândia, 3.58.53). Venyamin Soldatenko tornava-se, assim, o primeiro atleta a sagrar-se campeão num mundial de atletismo, 14 anos depois de ter-se iniciado na prática da marcha e nove anos após ter sido integrado na selecção da União Soviética.

Membro da Polícia da URSS, Soldatenko tinha nascido no Cazaquistão e após a carreira de atleta dedicou-se às funções de treinador na sua república natal. Com o fim da União Soviética, Venyamin Soldatenko adoptou a nacionalidade cazaque.

sábado, 17 de setembro de 2016

Veronica Burke e Rick Liesting vencem 7.º Triatlo de Sprint em Marcha Atlética

Participantes em Veenendaal e cerimónias de premiação.
Fotos: Frank van Ravensberg. Montagem: O Marchador
por Frank van Ravensberg

A irlandesa Veronica Burke e o holandês Rick Liesting foram os vencedores do 7.º Triatlo Internacional de Sprint em Marcha Atlética, levado a efeito sábado passado em Veenendaal, na Holanda. A prova contou com a participação de 34 marchadores de cinco países, que alinharam em uma, duas ou três distâncias, conforme previsto no programa: 3000 m, 1000 m e milha em pista. A participante mais jovem, Marit van Bremen, nasceu em 2013 e o mais velho, Bauke te Nijenhuis, era de 1935. A edição de 2016 foi a mais dura até agora realizada, com céu limpo, muito sol e a temperatura a atingir 27 graus (à sombra, que é coisa inexistente na pista).

O vencedor e o segundo classificado do ano passado, respectivamente Rob Tersteeg e Rick Liesting, ambos holandeses, mantiveram despique animado nos 3000 m. Liesting entrou a 16 km/h, mas aos 2000 m Tersteeg tomou a liderança e venceu com facilidade em 13.05,6 m, seguido de Liesting, com 13.07,4 m. Remco de Bruin (Holanda, M50) foi o terceiro, com a boa marca de 14.16,4 m. Tersteeg não esteve a defender as vitórias de 2015 nas restantes distâncias, pelo que Liesting, de 39 anos, venceu sem dificuldades as outras duas provas. Cumpriu os 1000 metros em 4.09,8 m e averbou 6.59,9 m na milha. No lapso de duas horas, o atleta de Deventer bateu três recordes pessoais.

Na classificação geral, Remco de Bruin foi segundo, enquanto Peter Van Hove (Bélgica) alcançava o terceiro lugar. Vieram da Polónia, da Alemanha e da Holanda os marchadores classificados do quarto ao oitavo lugares, que mantiveram disputa acesa. O polaco Miroslaw Luniewski (M55) impôs-se à justa sobre Hub Kaenen (Holanda), Boguslaw Seidel (Polónia), Udo Schaeffer (Alemanha) e Wilfried van Bremen (Holanda).

Depois do segundo lugar em 2015, atrás da polaca Agnieska Dygacz, Veronica Burke, da Irlanda, conseguiu impor-se em 2016. A atleta de 19 anos venceu por larga margem e garantiu a segunda vitória irlandesa, depois do triunfo de Kate Veale em 2012. Se estivesse entre os masculinos, a marchadora de Dublin teria conseguido a terceira posição. Duas vezes vencedora em Veenendaal, Liesbet De Smet (Bélgica) foi desta vez segunda classificada, enquanto a holandesa Corina Riezebos se estreou com uma terceira posição.

A prova dos jovens foi ganha pelos belgas Tristan Van Hove, nos rapazes, e Lola Gontier, nas raparigas. O atleta local Tygo Hulsebos deixou boa impressão, imediatamente atrás de Van Hove.
Nota especial para a participação de vários atletas com deficiência visual, dois dos quais competiram com guia.

A prova por equipas foi ganha por uma formação composta no local: Miroslaw Luniewski (Polónia), Udo Schaeffer (Alemanha) e Tristan Van Hove (Bélgica).

Na cerimónia protocolar, o prémio de combatividade foi para dois concorrentes polacos e os dois prémios para melhores tecnicistas foram entregues a duas jovens estreantes.

Na parte da tarde, alguns dos atletas participaram numa sessão de treino de 10 km nas rampas junto a Prattenburg, na colina de Amerongse e ao longo do Parque Eenzame Eik (Parque do Carvalho Solitário). Eram 16h45 quando terminou a jornada de marcha, iniciada às 9h15, com uma sessão de treino e aquecimento colectivo.


Versão original

Veronica Burke and Rick Liesting win the 7th Sprint Triathlon in Race Walking

by Frank van Ravensberg

The 7th international sprint triathlon in race walking is won by Veronica Burke (Ireland) and Rick Liesting (the Netherlands). On Saturday the 10th of September 34 walkers from 5 countries came to Veenendaal (the Netherlands) to start on one, two or all three distances: 3000 m, 1000 m and 1 mile on the track. The youngest participant, Marit van Bremen, was born in 2013 and the oldest participant, Bauke te Nijenhuis was born in 1935. The 2016 edition was a hard one. It was clear and sunny and temperatures raised until 27 degrees (in the shadow, of which there was none on the track).

Last years winner Rob Tersteeg (NED) and last years runner up Rick Liesting (NED) battled on the 3000 m. Liesting started very fast at 16 km/h speed. After 2000 m however Tersteeg overtook the lead and he won easily in 13.05,6. Liesting followed in 13.07,4. Remco de Bruin (NED), M50, was third in a fast 14.16,4. Tersteeg didn't defend his 2015 victory on the other distances, so the 39 year old Liesting could easily win the other two distances. He finished in 4.09,8 (1000 m) and in 6.59,9 (1 mile). In two hours the race walker, based in Deventer, set three personal bests. In the general classification (gc) Remco de Bruin came second and Peter Van Hove (BEL) was third. For places 4 to 8 was fiercely fought by walkers from Poland, Germany and the Netherlands. The Polish walker Miroslaw Luniewski (M55) just made it before Hub Kaenen (NED), Boguslaw Seidel (POL), Udo Schaeffer (GER) and Wilfried van Bremen (NED).

After a second place in 2015, behind Agnieska Dygacz (POL), Veronica Burke from Ireland was the best in 2016. The 19 year old won with a big margin and she brought home the second Irish victory after Kate Veale in 2012. Between the men the Dublin based walker would have been third. Two-time winner Liesbet De Smet (BEL) was second this time and Corina Riezebos (NED) made her debut with a third place.

The youth race was won by the Belgian Tristan Van Hove (boys) and Lola Gontier (girls). The local walker Tygo Hulsebos made a good impression with a second place behind Van Hove.

Special was the participation of a number of visually disabled athletes. Two of them walked with a companion.

The teamrace was won by a team that was put together for the occasion: Miroslaw Luniewski (POL), Udo Schaeffer (GER) and Tristan Van Hove (BEL).

At the price ceremony the two prices for combativeness went to the two Polish participants and the two prices for good walking style were given to two female beginners.

In the afternoon a part of the walkers did a 10 km endurance training in the hills near Prattenburg, on the Amerongse berg and along the Eenzame Eik (lonely oak). At 16.45 h they ended this race walking day which started at 9.15 h with a coaching session/joint warm up.

Results:

Men:
1. Rick Liesting, 1977, NED, 13.07,4 (2) - 4.09,8 (1) - 6.59,9 (1) - 771 points
2. Remco de Bruin, 1964, NED, 14.16,4 (3) - 4.22,8 (2) - 7.31,6 (2) - 828 p
3. Peter Van Hove, 1981, BEL, 14.39,6 (4) - 4.50,8 (4) - 8.05,7 (3) - 884 p
4. Miroslaw Luniewski, 1957, POL, 15.33,6 (5) - 5.00,6 (6) - 8.19,1 (5) - 921 p
5. Hub Kaenen, 1959, NED, 16.48,3 (10) - 4.43,8 (3) - 8.18,4 (4) - 929 p
6. Boguslaw Seidel, 1949, POL, 15.56,2 (9) - 5.02,3 (7) - 8.22,2 (7) - 933 p
7. Udo Schaeffer, 1950, GER, 15.47,3 (6) - 5.08,4 (8) - 8.19,5 (6) - 934 p
8. Wilfried van Bremen, 1987, NED, 15.53,4 (7) - 4.57,6 (5) - 8.49,0 (8) - 943 p
9. Richard Christian Wiltsch, 1964, GER, 17.04,5 (11) - 5.23,3 (10) - 8.54,5 (9) - 996 p
10. Christophe Gontier, 1976, BEL, 17.04,2 (10) - 5.16,4 (9) - 9.50,6 (10) - 1024 p
11. Joost van der Plicht, 1948, NED, 20.15,5 (13) - 6.40,8 (12) - 10.51,8 (11) - 1210 p
12. Bauke te Nijenhuis, 1935, NED, 21.08,7 (14) - 6.55,4 (14) - 11.20,0 (13) - 1260 p
13. Jan de Vos, 1954, NED, 21.50,3 (15) - 6.47,5 (13) - 11.12,7 (12) - 1261 p
16. Rob Tersteeg, 1976, NED 13.05,6 (1) - DNS - DNS - 262 p (1 distance)

Women:
1. Veronica Burke, 1996, IER, 14.27,8 (1) - 4.31,4 (1) - 7.43,2 (1) - 848 p
2. Liesbet De Smet, 1982, BEL, 17.18,8 (2) - 5.14,8 (2) - 9.49,7 (2) - 1026 p
3. Corina Riezebos, 1965, NED, 21.15,3 (4) - 7.14,5 (4) - 11.05,7 (3) - 1272 p

Boys (2 distances: 1000 m and 1 mile):
1. Tristan Van Hove, 2003, BEL, 5.55,0 - 10.50,5 - 759 p
2. Tygo Hulsebos, 2005, NED, 6.54,8 - 12.20,8 - 874 p
3. Robin de Bruin, 2011, NED, 8.14,0 - 14.19,1 - 1028 p

Girls (2 distances: 3000 m and 1000 m):
1. Lola Gontier, 2003, BEL, 21.26,6 - 6.34,1 - 824 p

sexta-feira, 16 de setembro de 2016

Campeonatos suecos de veteranos em Kalhyttan-Filipstad

A partida de uma das provas e Christer Svensson sem oposição.
Foto: fb de Christer Svensson. Montagem: O Marchador
Christer Svensson (M45), do Växjö AIS, foi o atleta mais em evidência nos campeonatos de Marcha da Suécia para veteranos realizados no fim-de-semana de 10/11 de Setembro, num circuito com excelente piso e instalado na área mais plana da pista de patinagem em Kalhyttan-Filipstad.

Svensson foi o vencedor absoluto masculino das provas de 5 km, com 25.55, no sábado, e de 10 km, com 49.51, no domingo, com chuva e vento e temperatura a oscilar entre os 16 e os 18 graus Celsius. Nos femininos, se bem que as provas (5 km/3 km) tenham sido ganhas pela venezuelana W45 Jennifer Acuna (31.02/18.29), os títulos foram para Yvonne Levinovitz (M60, 38.19/24.09).

Os segundo e terceiros classificados absolutos foram, nos 10 km, Anders Wahlström (M50, 26.21) e Birger Fält (M45, 26.43) e, nos 5 km, Fält ascendeu à segunda posição, com 56.04, e Wahlström quedou-se pela terceira (57.17). Referência para o campeão mais idoso, da categoria M75, Ernst Larsson, que obteve 35.06 nos 5 km e 20.55 nos 3 km do 2.º dia de provas.

Como curiosidade, a participação em Filipstad de Stefan Johansson, marchador olímpico em Seul-1988 e Barcelona-1992, já retirado, e detentor de 1.18.35,2 nos 20.000 metros marcha, obtidos na famosa pista de Fana-Bergen, a 15 de Maio de 1992. Johansson, agora com 49 anos de idade, já não competia há mais de 10 anos, não tendo concluído a prova de sábado por lesão.

Fonte: Svenska Gang

Classificações
10 de Setembro (sábado)
5 km masculinos
1.º, Christer Svensson (Växjö AIS), 25.55 - 1.º, M45
2.º, Anders Wahlström (S.Ölands GK), 26.21 - 1.º, M50
3.º, Birger Fält (Mälarhöjdens IK), 26.43 - 2.º, M45
4.º, Bengt Bengtsson (GK Steget, Gbg), 28.23 - 1.º, M55
5.º, Peter Karlsson (Kalmar Gång 99), 29.24 - 2.º, M50
6.º, Anders Borlund (S.Ölands GK), 29.56 - 1.º, M35
7.º, Ernst Larsson (Sundbybergs IK), 35.06 - 1.º, M75
8.º, Sören Pettersson (IFK Västerås), 35.55 - 1.º, M60
9.º, Roger Borlund (S.Ölands GK), 36.08 - 1.º, M65
10.º, Per-Åke Lindkvist (BK Billingen VK), 37.04 - 2.º, M75
11.º, Morgan Almstedt (Äppelbo AIK), 37.52 - 1.º, M70
Desistente: Stefan Johansson (Krogsereds IK) - M45.

5 km femininos
1.ª, Jennifer Acuna (Venezuela), 31.02 - 1.ª, W45 - extra campeonato
2.ª/1.ª camp., Yvonne Levinowitz (Vallentuna/Brottby GoVF), 38.19 - 1.ª, W60

11 de Setembro (domingo)
10 km masculinos
1.º, Christer Svensson (Växjö AIS), 49.51 - 1.º, M45
2.º, Birger Fält (Mälarhöjdens IK), 56.04 - 2.º, M45
3.º, Anders Wahlström (S:Ölands GK), 57.17 - 1.º, M50
4.º, Bengt Bengtsson (GK Steget, Gbg), 1.01.38 - 1.º, M55

3 km M75 masculinos
1.º, Ernst Larsson (Sundbybergs IK), 20.55
2.º, Per-Åke Lindkvist (BF Billingens VK), 22.02

3 km femininos
1.ª, Jennifer Acuna (Venezuela), 18.29 - 1.ª, W45 - extra campeonato
2.ª/1.ª camp., Yvonne Levinovitz (Vallentuna/Brottby GoVF), 24.09 - 1.ª, W60

quinta-feira, 15 de setembro de 2016

Valmontone acolheu prova de marcha do Troféu Fulvio Villa

As partidas das principais provas e os vencedores absolutos,
Diana Cacciotti (246) e Stefano Mansutti (101).
Fotos: Marcia.it. Montagem: O Marchador
Valmontone, cidade da região de Lazio, província de Roma, foi palco da quinta prova do Troféu Fulvio Villa, evento destinado a todos os escalões etários, realizado em estrada (em abril deste ano ocorreram aí provas de pista) e que premeia os atletas que, no conjunto das competições nele integradas, obtenham o maior número de pontos.

Com a participação de uma centena de marchadores, na principal competição feminina, Diana Cacciotti (1995) impôs-se nos 5 km, com a marca de 23.34,1, à frente de Eleonora Dominici, com 25.15,0, e da veterana W35 Tatiana Zucconi, com 25.29,7, ela que se prepara para participar no Campeonato do Mundo Master em Perth, na Austrália, em Outubro próximo. Uma nota ainda para as gémeas Mirabello, sub-18, Anthea (25.36,8) e Angelica (25.39,2), 4.ª e 5.ª classificadas respectivamente. Cacciotti, jovem com muitas potencialidades, é a atual campeã italiana dos 10.000 metros marcha em pista (Bressanone) e é treinada por Sandro Bellucci, medalha de bronze nos 50 km marcha dos Jogos Olímpicos de Los Angeles, em 1984.

Na principal competição masculina, de 8 km, Stefano Mansutti (1995), venceu com o tempo de 35.17,9, seguido de Giuseppe Pantera, atleta sub-20, com 37.13,6, e do sub-18, Matteo Vicario, com 38.37,6. Nem 3 segundos passaram e logo chegou o quarto classificado e primeiro veterano, Enrico Lang, M40 (38.40,3). Mansutti, que tem um recorde pessoal de 1.29.48 nos 20 km, é treinado por Patrizio Parcesepe e Livio Mansupi.

Classificações das principais provas
8 km masculinos
1.º, Stefano Mansutti, 1995 (A.S.D. Intesatletica), 35.17,9 - sub-23
2.º, Giuseppe Pantera, 1998 (Fiamme Gialle G. Simoni), 37.13,6 - sub-20
3.º, Matteo Vicario, 1999 (A.S.D. Atletica Velletri), 38.37,6 - sub-18
4.º, Enrico Lang, 1972 (Atl.Stud. Rieti Andrea Milardi), 38.40,3 - M40
5.º, Leandro Tomasselli, 1999 (E.Servizi Atl. Futura Roma), 39.38,9 - sub-18
6.º, Andrea Rampa, 1984 (ACSI Campidoglio Palatino), 40.39,8 - sénior
7.º, Marco Belli, 1998 (Circolo Ricr. Lib. Valmontone), 46.39,0 - sub-20
8.º, Antonio Graziosi, 2000 (Circolo Ricr. Lib. Valmontone), 49.22,4 - sub-18
Desclassificado: Daniele Attanasio, 2000 (G.S.D. K42 Roma) - sub-18.

5 km femininos
1.ª, Diana Cacciotti, 1995 (A.S.D. Acsi Italia Atletica), 23.34,1 - sub-23
2.ª, Eleonora Dominici, 1996 (A.S.D. Acsi Italia Atletica), 25.15,0 - sub-23
3.ª, Tatiana Zucconi, 1977 (Italia Marathon Club), 25.29,7 - W35
4.ª, Anthea Mirabello, 1999 (Fiamme Gialle G. Simoni), 25.36,8 - sub-18
5.ª, Angelica Mirabello, 1999 (Fiamme Gialle G. Simoni), 25.39,2  - sub-18
6.ª, Chiara Tommasi Mavar, 2000 (Esercito Sport & Giovani), 26.30,8 - sub-18
7.ª, Melania Aurizzi, 1970 (Italia Marathon Club), 28.50,6  - W45
8.ª, Silvia Ricci, 2000 (Fiamme Gialle G. Simoni), 29.28,5  - sub-18
9.ª, Daniela Ricciutelli, 1956 (Italia Marathon Club), 30.23,4  - W60
10.ª, Giorgia Fia, 1998 (Fiamme Gialle G. Simoni), 31.31,4  - sub-20
11.ª, Maria Paola Formiconi, 1956 (Italia Marathon Club), 31.58,3  - W60
12.ª, Giulia Mannozzi, 1999 (Atl.Stud. Rieti Andrea Milardi), 32.32,2 - sub-18
13.ª, Rita Del Pinto, 1949 (A.S.D. Liberatletica), 34.39,7 - W65
14.ª, Alessandra Calapai, 1965 (Italia Marathon Club), 35.51,3 - W50
15.ª, Federica Corinaldesi, 1977 (G.S.D. K42 Roma), 38.59,4 - W35
16.ª, Maria Grazia Proietti, 1958 (G.S.D. K42 Roma), 40.13,4 - W55
Desclassificada: Tania Ciuciula, 1949 (A.S.D. Liberatletica) - W65.